Yoga – um tranquilizante natural (Parte 2)

You are currently viewing Yoga – um tranquilizante natural (Parte 2)

B.K.S. Iyengar
Trecho do Yoga Rahasya. Tradução livre de Maurício Frighetto

Os oito membros do yoga
Os oito membros do Yoga são como uma gigantesca mangueira que vai da semente à raiz, da raiz ao tronco, do tronco aos galhos, galhos brotando em folhas, folhas arejando toda a árvore com o fornecimento de energia na forma de seiva através da casca – então as flores desabrocham culminando com frutas saborosas. Os oito membros do Yoga são yama (raiz); nyama (tronco); asana (galhos); pranayama (folhas); pratyahara (casca); dharana (seiva); dhyana (flor); e samadhi (fruta).

A essência da árvore está concentrada no fruto, o seu ponto culminante. Da mesma forma, o yoga leva seu praticante das trevas à luz, da ignorância ao conhecimento, do conhecimento à sabedoria e a sabedoria termina em verdadeira felicidade e paz pura.

Árvore do yoga
O primeiro membro do yoga, yama, refere-se às virtudes sociais que devem ser observadas na vida social pelo praticante. O segundo, nyama, é a disciplina individual para melhorar a si mesmo e a vida. Saúde é um estado de equilíbrio perfeito de corpo, mente e espírito, livre de doenças e, ao mesmo tempo, protegendo, sustentando e apoiando as células vivas para uma vida positiva e construtiva.

A vida é uma combinação de consciência, inteligência, mente e sensos de percepção e ação. A mente é como um espelho que recebe as aspirações dos sentidos, atua por meio dos sentidos e age por meio do prazer e da realização. Tem um papel duplo em ambas as extremidades. Recebe e age pelas impressões do eu para os sentidos ou dos sentidos para o eu. A mente torna o corpo e o eu a morada do sofrimento se agir sem poder discriminativo.

Asanas são destinados à manutenção da saúde e à estabilidade da mente. A prática dos asanas purga as impurezas do corpo, trazendo beleza, força, firmeza, calma e clareza, revelando uma disposição feliz sem criar qualquer tipo de dualidade entre corpo, mente e eu.

“Prana” significa energia – a respiração de todos os seres. É o princípio da vida e da consciência no homem. “Ayama’ significa expansão, extensão, prolongamento e distribuição da energia vital que é atraída pelo ar atmosférico bruto. Diz-se que a mente está onde está a respiração e, portanto, as práticas corretas de pranayama regulam os hábitos, desejos, ações e atua como uma ponte na unificação do corpo, da mente e do eu.

Pratyahara deixa os sentidos e a mente sob controle e interrompe as funções duais da mente, desviando-a dos sentidos (bhoga) para o ser (yoga).

Dharana, dhyana e samadhi são denominados samyama, o que significa integração. É a integração do corpo, dos sentidos, da mente, do intelecto, da vontade com a consciência. Esses sete estados no homem são integrados de modo que ele permanece habilidoso, vive em suas próprias manifestações como puro e absoluto, sem se abrigar nos sete veículos acima (Sutra II.27).

Confira os outros trechos:

Yoga – um tranquilizante natural (Parte 1)

Yoga – um tranquilizante natural (Parte 3) 

Yoga – um tranquilizante natural (Parte 4)