Como o yoga me transformou (Parte 3)

You are currently viewing Como o yoga me transformou (Parte 3)

Por B.K.S Iyengar

Minhas limitações

A responsabilidade de ensinar era demais para minha idade: aqueles que vinham para as aulas eram mais velhos, maiores em tamanho e muito sofisticados em seu comportamento. A primeira humilhação que enfrentei foi quando os estudantes universitários riram de mim e olharam sarcasticamente para o meu físico – eu pesava cerca de 32 quilos e meu peito media apenas 55 centímetros; após a inspiração, aumentaria apenas um 1,5 centímetros. 

O comportamento deles me fez enfrentá-los com ousadia e aceitar o desafio. Outra fraqueza era a minha linguagem. Eu não era bom nem em inglês e nem em minha própria língua materna, quanto mais na língua da terra Marathi. Além disso, não possuía conhecimentos teóricos ou experiências práticas. Guruji não explicou os princípios ou as sutilezas do yoga, embora eu estivesse praticando. Fui forçado a me chamar de professor de yoga mesmo que não tivesse nenhuma qualificação

Havia apenas duas maneiras pelas quais eu poderia superar essas limitações. Adquirir conhecimentos de segunda mão em livros ou praticar vigorosamente com determinação para obter experiências subjetivas de primeira mão. Optei pela última e comecei a praticar 10 horas por dia para dominar o pouco que havia aprendido com meu Guru.

Logo, as autoridades da faculdade apreciaram meu trabalho e meus serviços foram estendidos por três anos. Então continuei ensinando de forma independente. O esforço intenso que fiz me deu boa saúde e meu ensino me ajudou a ganhar o suficiente para manter minhas necessidades básicas. Levei anos de prática para obter controle sobre meu corpo. Lentamente, alcancei estabilidade mental e minha abordagem dos problemas da vida se tornou mais espiritual. 

Confesso que minha mente não conseguia compreender a vasta arte e ciência do yoga no início, mas com esforço e dedicação meu conhecimento aumentou. Demorou anos de paciência e trabalho duro para atrair pessoas de todas as esferas da vida para o yoga. Não consigo colocar em palavras o sofrimento que passei.


Dificuldades durante minha prática

Minhas práticas difíceis causaram agonia em meu corpo, nervos, mente e em minha própria alma. Fui jogado de um lado para o outro. Às vezes, o corpo e outras vezes a mente se recusam a cooperar, movendo-se alternadamente. Meu espírito oscilou. Minhas energias estavam esgotadas e eu estava mentalmente cansado. O eu interior ficava inquieto se eu não tentasse, e o fracasso causava desânimo quando tentava. 

A exaustão muitas vezes me levou ao ponto de colapso. Não conseguia comer nem beber com conforto. O sono era quase impossível porque meu corpo e minha mente estavam inquietos com a dor e o fracasso. Desânimo e dúvida me atormentaram, embora eu continuasse praticando yoga por anos. Minha mente não encontrava descanso, exceto em um esforço renovado. 

Cada dia era uma provação, mas a graça de Deus me forçou a fazer mais uma tentativa para cada falha. Eu cometi erros enormes, já que eu não tinha orientação, mas aprendi observando meus próprios erros. Tive que ficar sem comer por dias, quando as circunstâncias me forçaram a viver por conta própria. 

Freqüentemente, eu vivia apenas com uma xícara de chá. Minha chama interior persistia em continuar com minha prática diária com zelo e entusiasmo. Lentamente, comecei a sentir que meu corpo estava crescendo em força e minha mente estava ganhando estabilidade. Foi somente em 1946 que um interesse inato surgiu em mim, embora eu tenha começado a praticar yoga em 1934.

Minha transformação com as bênçãos do Senhor

Meu súbito interesse pelo yoga foi gerado por uma visão de nossa divindade familiar, Lord Venkateshwara (comumente conhecido como Balaji), que sorriu e me abençoou em um sonho. O Senhor disse que minha vocação era praticar e ensinar yoga, abençoou-me com uma das mãos e deu-me alguns grãos de arroz com a outra. A divindade benevolente me disse que eu não teria mais que me preocupar com minha sobrevivência física. 

Na mesma noite, minha esposa também teve um sonho em que Devi Lakshmi lhe deu um pedaço de moeda, mostrando que ela estava devolvendo o que havia emprestado de mim há muito tempo. Logo no dia seguinte, meus alunos convocaram-me e, a partir de então, minhas estrelas foram boas e Deus continua comigo. Meu único arrependimento é não o ter  agradecido tão rápido como o amaldiçoei durante toda a minha vida. De 1934 a 1946, o yoga estava ligado a mim, mas hoje sou eu que estou apegado ao yoga. No entanto, a vida não foi tão fácil.

Leia os outros trechos:

Como o yoga me transformou (Parte 1)

Como o yoga me transformou (Parte 2)

Como o yoga me transformou (Parte 4)