Vinadanda (Parte 2)

You are currently viewing Vinadanda (Parte 2)

Por B.K.S Iyengar

Trecho do Yoga Rahasya. Tradução livre de Maurício Frighetto

Cada asana tem uma função específica. Assim, inúmeros asanas foram inventados para manter a coluna forte e saudável. A coluna vertebral possui 33 vértebras. A coluna vertebral é a fonte de suprimento de energia, e os nervos são nutridos por ela. Estima-se que todo o sistema nervoso do corpo tenha cerca de 9 mil a 11 mil quilômetros de comprimento se for esticado como uma única corda. Isso é suficiente para mostrar por que tantos asanas são necessários para serem praticados e o quanto eles devem ser aperfeiçoados.

O Varahopanishad diz que os nervos penetram no corpo desde o topo da cabeça até a planta dos pés. O corpo nada mais é do que um feixe de nervos. Textos de yoga proclamam 72 mil nadis originados de kandasthana e cada um ramificando-se em 72 mil nadis. Da mesma forma, 101 nadis se originam da sede do atma (coração espiritual) e cada um tem 72 mil ramos – exceto um. É chamado de citra nadi, que passa por susumna para se unir a Brahmarandra no assento da cabeça.

O vinadanda possui sete câmaras chamadas de chakras. Eles são muladhara, swadisthana, manipuraka, anahata, visuddhi, agna e sahasrara. Como existem sapta svaras (sete notas) – sa, re, ga, ma, pa, dha, ni na música – também existem sapta chakras na coluna vertebral para ascender de bhuloka (muladhara) para vaikunta (a morada de Visnu), o sahasrara, para viver no Everest do Infinito. Esses chakras são como as rodas de uma máquina gigantesca.

As antenas captam ondas de rádio e as transformam em sons por meio dos aparelhos de rádio. Os chakras captam energia vital, da respiração que inspiramos, para distribuir por todo o corpo para o funcionamento saudável do ser humano. Quando os chakras são sincronizados e colocados para funcionar em uníssono por meio das disciplinas do yoga, a energia do atma flui como um rio no canal de citra através da passagem de susumna para um sadhaka se fundir no oceano de sahasrara. Então o sadhaka está em sintonia com o brilho do atman refletindo em sua verdadeira glória sem karmendriyas, Jnanendriyas e manas.

O yogue obtém beleza em sua forma, graça em sua ação e força para enfrentar a vida com a mente tranquila em todas as situações, mantendo vinadanda – a parte sutil (susumna sarira) desse corpo grosseiro (sthula sarira) – saudável, móvel e forte como um diamante. Portanto, o sadhana do yoga, particularmente asanas e pranayama, é a fonte de todos os yogas, pois mantém os karmendriyas limpos para o karma, os jnanendriyas limpos para o jnana e a mente pura para bhakti se entregar a Deus ou Paramatma.

Leia o outro trecho

Vinadanda (Parte 1)