Geeta Iyengar sobre Pranayama (parte 2)

Entrevista de Geeta S. Iyengar concedida a Lois Steinberg em 2002. Tradução livre de Maurício Frighetto.  

LS – Em termos da prática do pranayama, algumas pessoas ficam confusas em relação ao momento de praticar em relação ao asana.

Geeta Iyengar – Depende de como alguém progrediu em sua prática. Eu diria que um iniciante sempre prefere fazer pranayama após a prática de asana.

LS – Mesmo após uma prática forte de asana?

Geeta Iyengar – Após uma forte prática de asana, deve-se dedicar um tempo extra ao Savasana antes de começar o pranayama. Depende de quanto tempo a pessoa reservou para a prática. Quando você diz “prática forte de asana”, vamos supor que você tenha duas horas para praticar. Pode-se dividir esse tempo. Uma hora e um quarto ou uma hora e meia de prática de asana , dez minutos de Savasana e depois vinte minutos de pranayama. Depois de uma prática de asana, o corpo desenvolve alguma inteligência, alguma compreensão – mesmo que tenha feito algumas posturas em pé, algumas flexões ou algumas extensões ou torções, algumas inversões como Sirsasana e Sarvangasana. 

Então, com essa prática regular, normal e usual, eles certamente podem fazer pranayama por meia hora: dez minutos de Savasana e depois outros cinco ou dez minutos de ciclos de Ujjayi, observando sua respiração. Nesse momento, o corpo está relaxado e os nervos acalmados. A impressão do cansaço que eles tiveram em sua prática de asana será removida em Savasana. O frescor no corpo surge. Mas a inteligência não desaparece. O que quero dizer com inteligência é que as fibras nervosas são estimuladas na prática de asana; há uma sensação de alegria e então com asanas como Sarvangasana, Halasana ou Setubandha Sarvangasana a sensação de quietude chega aos nervos. Esse é um tipo de alimento para os nervos necessários para a prática do pranayama. Portanto, se essa nutrição vem da prática de asana, o pranayama se torna mais fácil. Esses asanas são conducentes a levar a atenção para dentro para sentir o corpo, a respiração e a mente. Eles pacificam o ego e trazem humildade.

Às vezes, sua respiração estará normal e, de repente, você percebe que a expiração está ficando cada vez mais longa. Está se tornando de alguma forma profunda. Portanto, observe isso. Às vezes, você percebe que sua inspiração está se tornando mais profunda do que o normal. Então, como esse tipo de progresso pode ocorrer na inspiração e na expiração? Começamos a rastrear como a inspiração está acontecendo. Como a expiração está acontecendo. Uma espécie de compreensão e consciência surge. Nesse ponto, a questão não é se o que vem é correto ou errado, mas sim se a sensibilidade veio, se você entende que existe alguma diferença entre a inspiração e a expiração, se existem algumas mudanças ocorrendo em um determinado estágio ou não. Mesmo que eles comecem a observar apenas isso, acho que estão gradualmente começando a avançar em direção ao pranayama. É preciso identificar e notificar o que está acontecendo internamente, com o corpo, a mente e a respiração.

Para alunos bem avançados, essa questão não se coloca. Depois de sentir o pranayama, você prefere reservar um tempo separado para ele. Porque então você não pode simplesmente terminar com pressa. Então, o aluno sente por dentro que a prática do pranayama deve ser separada da prática do asana para obter o efeito adequado. Digamos que se o pranayama for praticado por quarenta e cinco minutos ou uma hora, então obviamente não pode ser combinado com a prática de asana. A maioria dos alunos não terá tempo para uma longa prática de asana e depois uma longa prática de pranayama. Mas vocês, como alunos mais velhos, desejam observar seu pranayama. Você quer aprender alguma coisa. Você deseja consolidar o que aprendeu. Então você precisa de mais tempo, maior duração. Mas, como um iniciante, posso sugerir que, em vez de uma prática completa de pranayama, a pessoa pode simplesmente deitar em Savasana e fazer alguns ciclos de respiração, observando o movimento do tórax, uma vez que pode ser sentido por todos.

Clique aqui para ver o texto em inglês 

Confira os outros trechos

Geeta Iyengar sobre Pranayama (parte 1)

Geeta Iyengar sobre Pranayama (parte 3)

Geeta Iyengar sobre Pranayama (parte 4)

Chat
Como podemos ajudá-lo?
Fale conosco!