O contentamento é cultivado pela prática do yoga 

You are currently viewing O contentamento é cultivado pela prática do yoga 

Os praticantes de yoga devem cultivar o santosa, um termo que pode ser entendido como contentamento. “Uma mente descontente não consegue se concentrar. O yogue não sente falta de nada e por isso é naturalmente contente”, explicou B.K.S Iyengar, o Guruji, no livro Luz Sobre o Yoga

Mas para chegar a este estado de santosa – ou, pelo menos, para se aproximar desse estado –, o yoga é uma ferramenta extraordinária. Nesta semana, os professores Pedro Pessoa e Camila de Lucca estão abordando essa ideia nas aulas on-line. Uma das histórias que nos contaram foi essa:

Existia uma mulher chamada Anjali, que trabalhava como vendedora de leite em Pushkar, no Rajastão. Todas as manhãs, antes do sol nascer, ela ordenhava sua única vaca no estábulo, enchia um balde com o leite, colocava-o sobre a cabeça e caminhava até um vilarejo para vendê-lo. Com o dinheiro, ela conseguia oferecer duas refeições para os filhos e a avó que moravam em uma pequena casa. 

Certo dia, enquanto caminhava até o vilarejo com o balde na cabeça, Anjali começou a pensar que poderia comprar galinhas com o dinheiro do leite, vender os ovos, comprar mais galinhas, ganhar mais dinheiro e assim sucessivamente. “Poderei até comprar brincos de ouro para mostrar aos meus vizinhos”, ela refletiu. Mas no momento em que se imaginou com os brincos, ela balançou a cabeça, como se os sentisse balançar em suas orelhas. Foi então que o balde caiu e todo o leite foi derramado e absorvido pela terra. Nesse dia, Anjali e sua família ficaram sem ter o que comer.

No dia seguinte, ela entrou no estábulo e, ao olhar para sua única vaca, um grande sentimento de agradecimento invadiu seu coração. Um agradecimento pelo que tinha. Por mais simples que fosse, era aquilo que fornecia o sustento da sua vida. A partir daquele momento, Anjali nunca mais deixou de sentir seu coração pleno de agradecimento e seguiu trabalhando dia após dia.

Ao longo do tempo, Anjali adquiriu novas vacas e se tornou uma mulher rica. Comprou os brincos, mas seguiu tirando leite todas as manhãs e vendendo no vilarejo. Sempre mantendo aquele sentimento de agradecimento.

Esse estado de contentamento, explicou o professor Pedro, ocorre quando não estamos divididos –  e por isso santosa é uma qualidade dos yogues. “Através dos asanas, nós temos a oportunidade de equilibrar nosso corpo; através do nosso corpo, nós equilibramos nossa mente; através da nossa mente, nós equilibramos nossos desejos; uma vez que nós equilibramos nossos desejos, nós equilibramos nosso coração. E apenas com o coração calmo é que nós podemos sentir este fluxo de agradecimento perene que flui do coração. É um agradecimento incondicional que flui pelo simples fato de estarmos vivos. E neste simples fato de estarmos vivos, conter a extraordinária possibilidade de nos desenvolver ilimitadamente.”

Em outra aula, a professora Camila nos lembrou que precisamos estar conectados a nossa essência para atingir este estado. “O contentamento e a alegria são frutos de quando nos lembramos da nossa fundação, da nossa essência, daquilo que nos sustenta. Da mesma maneira que nos asanas em pé as pernas sustentam nosso corpo, nossa essência sustenta nossa vida. Santosa é um estado de ser, não tem relação nenhuma com aquilo que possuímos. Este estado de ser, de agradecimento, vem quando a gente se lembra da nossa essência.” 

 

Texto Maurício Frighetto

Edição Daniela Caniçali